Warning: "continue" targeting switch is equivalent to "break". Did you mean to use "continue 2"? in /var/www/html/alexandert.blog-dominiotemporario.com.br/web/wp-content/plugins/essential-grid/includes/item-skin.class.php on line 1147

Warning: "continue" targeting switch is equivalent to "break". Did you mean to use "continue 2"? in /var/www/html/alexandert.blog-dominiotemporario.com.br/web/wp-content/themes/jupiter/framework/includes/minify/src/Minifier.php on line 227
Entendendo o que é B2B, B2C e C2B e B2E. – Alexander Terra

Entendendo o que é B2B, B2C e C2B e B2E.

Interações das empresas com o público alvo.

Com a força que a informação tem conquistado principalmente com o advento da internet, as modificações na relação entre empresas, destas com seus clientes internos e também com os clientes externos a cada dia torna-se mais dinâmica, você sabe quais são essas relações?

A primeira já bem conhecida é o B2B – Business to Business, é a relação comercial entre duas empresas, um ponto importante de se destacar o qual já se fala há bastante tempo, mas infelizmente muito pouco praticado é que essa relação precisa ser saudável, muitas vezes percebo nos contratos os quais tenho com outras empresas, a área de contratos ou de compras tentando reduzir o custo de uma forma a qual não é saudável para a relação, o que leva muitas vezes a outra parte a “inflar” o seu preço, pois sabe que em algum momento será requisitado uma redução de custos. A pergunta que me faço, é por que as empresas compradoras / fornecedoras não trabalham de forma transparente? Uma das teorias que monstra os ganhos de se trabalhar de forma transparente é a gestão colaborativa, mas esse é um assunto para outro post.

Saindo do B2B, temos o conhecido B2C “business to consumer”, são os negócios feitos por empresas projetados diretamente para um público alvo específico e a sua relação é direta, ou seja, não encontramos nestes casos os interlocutores empresariais. Hoje com a internet e os famosos e-Commerce é possível alavancar essa modalidade de negócios de uma forma muito pragmática e rentável. Porém ainda se percebe vários problemas de adequação do público com os sites, sites feitos de forma inapropriada e empresas despreparadas para entender o seu público alvo.

Aqui é interessante  fazermos um paralelo sobre a relação que vem crescendo bastante a qual é denominada como  C2B, ou seja, o processo muda o lado do jogo, no qual o consumidor pode ofertar para a empresa um produto ou serviço, exemplo disto pode ser os famosos sites de descontos, ou ainda as empresas de recrutamento online que fornecem uma base de cadastros e currículos.

NA HORA DA REUNIÃO O QUE FAZER E O QUE EVITAR

Um formato que é menos conhecido é o B2E ou business to employee, no qual eu trabalho em minhas consultorias, pois pode-se entender este processo quando empresas oferecem bens e serviços aos seus colaboradores, como por exemplo o IBN  – Instituto Brasileiro de Negócios oferece para seus parceiros uma solução através da implantação de LMS (learning management system) ou mais conhecida como plataforma para curso online, mas um boa plataforma necessita ter uma estratégia para produção e disponibilização de cursos online, obedecendo a matriz de competências criada para a empresa, mas principalmente no nosso caso, montamos uma estrutura para entender quem fará o curso e assim elevar o nível de engajamento dos colaboradores e a absorção do conhecimento, ao fazermos essa interação comercial com a empresa, estamos praticando o B2B, quando a empresa coloca a disposição do seu colaborador todas as ferramentas disponíveis, ela está praticando o B2E, o qual eleva a proposta de valor para as empresas através do desenvolvendo de novos serviços e redução de custos e processos internos eficientes.

O mundo está mudando e essas relações necessitam ser atualizadas, já imaginou quanto é possível reduzir o custo dos seus treinamentos, simplesmente fazendo cursos online? Isso se dá pois ao aplicar os treinamentos no formato online, existe uma redução de custo considerável,  principalmente para empresas que apresentam alto turnover, manter um processo de rastreabilidade ligado ao desenvolvimento dos colaboradores com uma matriz de competência atualizada torna-se imprescindível para as empresas.

Até a próxima.

alexMe. ALEXANDER TERRA ANTUNES

Diretor do IBN – Instituto Brasileiro de Negócios e professor de MBA, mestre em administração com ênfase em marketing, com MBA em gestão de projetos bacharel em Administração de Empresas, autor e coautor de diversos livros.

Recommended Posts